Posts Tagged branding

Nova campanha CEPU

Está nas ruas a nova campanha do CEPU. Em mídias tradicionais e outras nem tanto.

Com o tema “Essa é a minha carreira, qual é a sua?” a campanha, que conta como modelos os próprios alunos da instituição, tem como referência principal os mapas de metrô de grandes cidades (e as várias possibilidades de caminho, dependendo da sua escolha). Espalhada pela Grande Florianópolis, já começa a gerar um burburinho entre as pessoas. Até porque não há como não passar no TICEN (Terminal Integrado do Centro) e não dar de cara com uma das pilastras adesivadas com os temas da campanha do CEPU.

O legal é ver que o trabalho que vem sendo feito está gerando um resultado bastante positivo, como neste vídeo abaixo.

Feito prioritariamente para transmitir ao público interno uma mudança real que está acontecendo na instituição, o vídeo virou uma ferramenta de comunicação importante para a campanha. Com a intenção de apresentar pelos próprios alunos informações importantes, este material está rodando entre a galera para se mostrar, ver o colega, tirar sarro do outro, brincar, paquerar e, enfim, gerar uma experiência onde o aluno está, de fato, inserido em um contexto… E tudo em cima de um material onde passamos informações que, em alguns casos, alguns alunos não sabiam antes.

Resultado: estamos tendo um número muito bom de re-matrículas e uma procura grande em novos cursos. E, para um vídeo de 3’12” , mais de oitocentas vizualizações (num período de férias de verão, ainda) é um belo número (lembrando que a contagem é feita apenas se o vídeo chegar ao seu final).

Site do CEPU – www.cepu.com.br

Comments (5)

Curso de Branding

Galera,

Trabalhamos com propaganda mas não somos de ficar fazendo propaganda dessa forma mas, pelo menos, vale a pena.

Haverá o primeiro curso de pós-graduação em Branding: Gestão Estratégica de Marcas, oferecido pela Unisul.

Caso tenha interesse no assunto, é uma bela dica (até pq o Alex Lima será um dos professores).

Mais informações, clique aqui.

Abraço e vamos evoluir.

Comments (2)

Associação entre palavras e marcas

Por: Artur Pereira

Para gente que trabalha com branding, é muito comum nossos clientes falarem:

“Gostaria que a minha mara estivesse diretamente associada a isso”.

“Assim que as pessoas pensarem nisso devem lembrar da nossa marca”

E por ai vai.

Sempre citam exemplos do tipo:

Pipoca e guarana, Natal e coca cola, Bom Bril e 1001 utilidades, ou quando alguém fala “na real” outro já responde “o Big é mais barato”.

Entre os cases de sucesso a Skol merece destaque. Consegue associar a palavra redondo diretamente a sua marca. Quem nunca ouviu um vendedor ambulante falando “Vai uma redonda ae?”. Esse trabalho iniciou em 1997 com o comercial abaixo que já é um clássico:

Sua concorrente a Cervejaria Schincariol, já possui outra história . Ao retirar do mercado uma cerveja com vantagem competitiva completamente fundamentada em “liderança por custos”, e apresentar a Nova Schin,  a empresa realizou um lançamento muito polêmico com a campanha “Experimenta, experimenta…”

Todos devem lembrar dos anúncios e das notícias envolvendo o “Zeca Pagodinho”.

Infelizmente não encontrei o vídeo no You Tube, acredito que tenha sido retirado para abafar o caso. Só sobrou o momento em que supostamente um ator fala um monte de palavrões na orelha do Zeca Pagodinho.

Depois disso a Nova Schin procurou associar outros termos a sua marca como: “pega leve”, e “ou seja, cerveja”.

Nesse momento acredito que existe uma nova investida para associar a palavra “Cervejão” à marca da cervejaria Schincariol. Com uma campanha bem humorada aparentemente as pessoas devem incorporar com facilidade o termo Cervejão ao pedir a bebida. Me parece que esse veio para ficar

Se você não assistiu ao anúncio que está sendo veiculado de forma exaustiva na TV, confira abaixo:

Leave a Comment

A matriz de Roberts e o futuro das marcas

12 de dezembro de 2009, 21:04

Amor… esse será o diferencial no futuro para as marcas, segundo K. Roberts, atual CEO da Saatchi & Saatchi. As grandes marcas e seus valores estão se tornando commodities.

Por Carlos André Braga

Branding, Brand Equity, Brand Experience, etc. Nomes que representam as ferramentas mais utilizadas para a gestão e mensuração das marcas e seus valores nos tempos de hoje, disciplinas que envolvem áreas da administração, marketing, comunicação e design.

As marcas são mensuradas por valores tangíveis e intangíveis, os quais as transformam no maior patrimônio de uma empresa. O branding, ou gestão de marca, é a disciplina que administra o posicionamento de uma marca no mercado, um trabalho extremamente complexo que engloba todos os departamentos de uma empresa, o mercado em que atua e, principalmente, o consumidor.

lovemark.jpgAté então o respeito, o reconhecimento e o valor financeiro de uma marca a torna a mais importante do mercado, mas Kevin Roberts, atual CEO da Saatchi & Saatchi decidiu olhar logo ali na frente, citando indiretamente que as grandes marcas e seus valores estão se tornando commodities.

Em um mercado em transição, onde o consumidor e a sociedade estão em uma constante evolução e cada vez mais ativos à informação, como uma marca pode se diferenciar no meio das gigantes que dominam esse mundo?

Segundo Roberts, todas as estratégias, táticas e operações podem ser resumidas em uma única palavra, amor. Amor? Sim, amor! Roberts afirma que o amor é o próximo passo das grandes marcas mundiais, e com isso passarão de respeitadas e ou desejadas para amadas.

O amor, a paixão, o verdadeiro apego, esses são os valores que farão a diferença no mundo das marcas, indo muito além do cognitivo, exercendo uma relação quase humana, na qual a marca terá o papel de conquistar o consumidor todos os dias de maneira não invasiva.

Amor, um nome que, por sua natureza, é simples, mas extremamente difícil de administrar, como qualquer outro tipo de relação que possa se tornar duradoura. Para se conseguir respeito é preciso estar disposto a enfrentar desafios, se submeter aos diversos pilares criados em uma relação e, antes de tudo, respeitar.

E o amor, como fazer com que alguém te ame, ou melhor, ame uma marca? Uma tarefa mais difícil ainda, mas não impossível, parece. Segundo Roberts, é preciso ir além dos números, estatísticas, pesquisas e outras ferramentas presentes no marketing, pois o amor atua juntamente com os princípios básicos da comunicação e percepção do homem, como visão, olfato, paladar, audição, entre outros que agem diretamente em diferentes partes do cérebro.

O cheiro de um bolinho de chuva, de um café, ou algo que remeta nosso bom gosto ou que nos leve ao passado através do subconsciente pode auxiliar no chamado “amor”, sem falar no conforto de uma poltrona, no bem estar causado por uma boa música, entre outros sentimentos e sensações que não são tangíveis.

O ser humano não precisa amar a perfeição, ou a melhor coisa, vislumbrando somente as vantagens e qualidades que desfrutará, pois isso não é amar e sim se interessar.

Google, Harley & Davidson e Fender são exemplos básicos, pois seus concorrentes oferecem enormes e variadas vantagens no quesito bem de consumo, ou produto, mas isso não importa, o Google é o Google, não um site de buscas, Harley é Harley, uma maneira de viver e não uma moto. E por que não ter a mesma guitarra que os maiores ícones do Blues e do Rock n’ Roll? Pois é, Fender é Fender.

A história, juntamente com ações do presente e planos para o futuro, define a construção de uma marca, com o ato de marcar um nicho ou até mesmo uma nação, agregando imensos valores e conseguindo o verdadeiro respeito das pessoas.

Mataram a charada até a presente data, e agora veremos como o mundo se comportará. Será que o verdadeiro amor se constrói? Será que ele realmente existe? Será que é duradouro ou possui um ciclo de vida? É melhor deixar essa resposta para Kevin Roberts, daqui alguns anos.  [Webinsider]

Fonte 1: galera da Blueticket nos enviou. Valeu!!

Fonte 2: http://webinsider.uol.com.br/index.php/2009/12/12/a-matriz-de-roberts-e-o-futuro-das-marcas/

Comments (3)

bastidores

Bastidores de uma campanha para nosso novo cliente, o colégio CEPU.

Mal começamos e  já está sendo um trabalho muito legal de reposicionamento de imagem. O falatório interno está funcionando perfeitamente, a energia coletiva de todos está ganhando uma força maior até do que imaginávamos. Com a primeira fase de diagnóstico (entre professores, alunos, colaboradores e parte administrativa), conseguimos visualizar novos caminhos, novas fórmulas e resgatar uma bela identidade escondida. E este trabalho já começa a render alguns resultados positivos.

Internamente desmontamos o CEPU para montar, em breve, uma nova e VERDADEIRA instituição. E o melhor, a mudança vem de dentro, com a ajuda de todos. Aguardem a revolução!

E contamos com a ilustre alegria, energia e ajuda da Duda. Em breve, mais notícias sobre ela e sobre o CEPU!

Comments (2)

Moving Brands

Moving brand é basicamente um marca dinâmica, que varia seu desenho sem comprometer a identidade visual da empresa que ela representa. Com o aumento da importância das mídias digitais esse tipo de marca está em alta, pois possibilita uma maior interação com as pessoas.

Segue um video do desenvolvimento da marca da Swisscom, um exemplo de marca dinâmica criada pela Moving Brands

Post copiado na cara dura do http://nformas.wordpress.com 😉

Leave a Comment

A história de Samira

Samira é uma garota diferente… E é diferente não “só” por tocar vários instrumentos (piano, violino, gaita (pode me matar! hehehe), guitarra, tambor, panelas), mas por ser meio doidinha mesmo. Doidinha daquelas legais (bem legais, diga-se de passagem).

Uma vez fizemos uma seleção para estágiarios na NEO e recebemos o resultado dos testes. O que mais nos chamou atenção foi exatamente a maluquice que ela tinha inventado para “se vender” (era parte do teste). Ao ver aquilo não precisamos ver mais nada. Era ela! Acho que temos guardado este material até hoje por aqui…

Enfim… Samira passou na seleção, veio pra Glóbulo, trampo conosco um tempo e foi embora para um intercâmbio que não termina nunca. Ela hoje está no seu ano sabático rodando pela Europa, vendo lugares, sabores,  culturas e pessoas provavelmente tão “doidinhas” quanto ela e, o melhor, não esquece da gente. 🙂 Sempre nos abastece de informações e referências bacanas, como essa abaixo.

Para os amantes de marcas como nós, preparem-se! Email da Samirowisky na integra pra vocês!

“Oi Alex! Tudo bom?

Lembrei de mandar isso pra ti já que a Glóbulo é amante das marcas! Pois, vi esse curta chamado Logorama, num festival de animação aqui em portugal e é SENSACIONAL!!!!!!!!!!!!
Tu ia amar, é pena que eu nao encontro em lugar nenhum, é claro… tem um teaser dele, tipo trailer. São duns franceses, H5

Os caras construiram um mundo de logos, tudo é feito e estampado com logos…  e ficou muito muito legal. O Ronald McDOnald é um criminoso procurando pelos polícias (bonecos da michelin! hahaha) e é ótimo, tem umas tiradas muuuito boas e coisas tipo o leão da MGM num zoologico com os jacarés da Lacoste, ou alguém que derruba um copo de liquido no chao e a mancha vira o splash da Nikelodeon. Sério, DEMAIS!

Aqui tem o trailer http://chunnel.tv/film-design/1255/logorama-trailer/
E aqui tem tipo uma entrevista, mostra umas cenas e pedaços… enfim http://vimeo.com/6469142

Bjao!
Samira”

Agora é esperar para esse filme sair e pra Samira, finalmente, voltar.

Bjão, obrigado e volte logo! 🙂

E pra quem quiser mais informações, o site do Logorama é http://www.logorama-themovie.com/

Comments (1)

Older Posts »